Q
Logo Manutenção.NET

Desenvolvido por CityPubli

NOTÍCIAS:

A Internet das Coisas (IoT) como pilar fundamental para impulsionar a Indústria 4.0 no Brasil

Por Gabriel Pavão O conceito de Indústria 4.0, ou Quarta Revolução Industrial, há tempos assumiu um papel central nas discussões industriais, inclusive no contexto brasileiro. Desde a sua introdução, o setor pode se beneficiar da ascensão de novas automações e a...

Webinar Manutenção Prescritiva e Indústria 4.0 – Canal VITEK com Júlio Nascif

Webinar Manutenção Prescritiva e Indústria 4.0 – Canal VITEK com Júlio Nascif

Primeira fábrica de inversores de energia solar do Brasil

Livoltek anuncia primeira fábrica de inversores de energia solar do Brasil com investimento de R$70 milhões em Manaus Até o fim do ano, empresa também inicia fabricação de baterias de lítio e carregadores elétricos no Polo Industrial de Manaus. Com esse movimento, a...

Sumitomo Rubber do Brasil investe em serviço de inspeção de pneus aperfeiçoando o desempenho de seus produtos

Sumitomo Rubber do Brasil investe em serviço de inspeção de pneus aperfeiçoando o desempenho de seus produtos Empresa demonstra compromisso com a satisfação do cliente a partir da consultoria de inspeções de pneus de frotas Como parte do escopo do trabalho técnico da...

KAEFER expande seus negócios no Brasil com a aquisição da Teckma

Grupo KAEFER passa a ter mais de 11 mil colaboradores e está presente em operações industriais espalhadas por todo o Brasil; meta é continuar crescendo.  A KAEFER, uma empresa global no fornecimento de serviços técnicos industriais, amplia sua presença no Brasil com a...

Inovação na indústria da refrigeração contribui para a descarbonização

Inovação na indústria da refrigeração contribui para a descarbonização Artigo escrito por Guilherme Almeida, Presidente da Nidec Global Appliance Ondas de calor, chuvas intensas, secas acima da média. As consequências do aquecimento global, reforçado pela emissão de...

O uso da inteligência artificial na nova era da automação industrial

O uso da inteligência artificial na nova era da automação industrial por Regis Ataídes* Quantas vezes você acessou e utilizou o ChatGPT essa semana? E no mês passado? As ferramentas de Inteligência Artificial já estão no nosso dia-a-dia. O nosso mundo está sofrendo...

Energy Summit reunirá mais de 20 palestrantes internacionais no Rio de Janeiro

Energy Summit reunirá mais de 20 palestrantes internacionais no Rio de Janeiro Professores e pesquisadores do MIT, Representantes de organizações internacionais, Políticos norte-americanos, Empresários e Empreendedores estão entre os confirmados O Energy Summit 2024,...

Falhas no revestimento interno de tanques causam grandes prejuízos

https://youtu.be/NM1SMq3vArg?si=sk1X8OFFj3s08RLT  

Pesquisa do banco BV realizada no Web Summit revela que 52% do público acredita que inteligência artificial é a próxima tendência financeira

Pesquisa do banco BV realizada no Web Summit revela que 52% do público acredita que inteligência artificial é a próxima tendência financeira A pesquisa foi realizada no estande do BV durante a edição do Web Summit Rio deste ano São Paulo, junho de 2024 – Durante a...

Novidade no site indicadores de gestão

Acesse agora um conteúdo pra lá de exclusivo. Clique AQUI  

EXPOGESTÃO: Joinville e a programação de tirar o folego

Evento para profissionais de nivel de gestão, com palestrantes se revesando de 25 a 27 de junho de 2024 na EXPOGESTÃO, em Joinville – SC, falando de temas que merecem nossa atenção e ainda podem propiciar um fantástico network. Eu vou. Recomendo.

Webdox CLM lança portfólio de produtos de IA e pretende crescer 100% no Brasil em 2024

Webdox CLM lança portfólio de produtos de IA e pretende crescer 100% no Brasil em 2024 A startup chilena chegou em solo nacional em 2022 e já aumentou 5 vezes seu faturamento no país. A nova suíte de produtos, que integram inteligência artificial à sua plataforma de...

Madero reduz em 40% seu consumo de água e obtém lucro de R$2,3 mi com reciclagem de óleo

Madero reduz em 40% seu consumo de água e obtém lucro de R$2,3 mi com reciclagem de óleo Empresa implementa medidas inovadoras para preservar o planeta e impulsionar a economia São Paulo, Junho de 2024 – O Madero, uma das principais empresas do segmento gastronômico...

Hydro realiza o maior investimento em ações voltadas para Clima e Meio Ambiente da indústria do alumínio no Brasil

Hydro realiza o maior investimento em ações voltadas para Clima e Meio Ambiente da indústria do alumínio no Brasil Líder global em alumínio e energias renováveis, a companhia investe mais de R$ 8,8 bilhões em tecnologias inovadoras para uma operação mais sustentável...

CPFL Energia abre Chamada Pública de Projetos de Eficiência Energética

CPFL Energia abre Chamada Pública de Projetos de Eficiência Energética Propostas selecionadas terão os recursos liberados para execução em 2025 Campinas, 29 de maio de 2024. O Grupo CPFL Energia abriu Chamada Pública de Projetos (CPP) de Eficiência Energética 2024. O...

Participação da Indústria no PIB cai 12%, segundo a CNI

Excelência operacional é o caminho para o Brasil enfrentar a desindustrialização, aponta especialista O Brasil estabeleceu ações e metas para sua política industrial até 2026, previstas no programa "Nova Indústria Brasil”, do Governo Federal. Ao mesmo tempo,...

Atlas Copco anuncia novo gerador de nitrogênio com tecnologia de membrana

São Paulo, maio de 2024 - A Atlas Copco, líder global em soluções industriais, anuncia o lançamento de seu mais recente produto na linha APE: o gerador de nitrogênio com tecnologia de membrana. Este lançamento oferece aos usuários a capacidade de produzir gás...

42% dos líderes de negócios pretendem aumentar investimento em ESG

42% dos líderes de negócios pretendem aumentar investimento em ESG Estudo realizado pela Data-Makers, em parceria com a CDN, também aponta que reputação corporativa continua como principal motivo para adoção de práticas que envolvam aspectos ambiental, social e de...

ABINC na Futurecom 2024 – Reserve sua cota!

SEJA UM PATROCINADOR Pelo 3º ano, o Futurecom recebe o ABINC SUMMIT, com um Hub de IOT. O espaço na feira foi pensado para promover contatos, facilitar soluções e fortalecer diálogos, colocando a sua empresa no centro dos debates de IoT.   POR QUE DURANTE O...

Geólogo explica a degradação do planeta e alerta para os desafios que vêm pela frente

Geólogo explica a degradação do planeta e alerta para os desafios que vêm pela frente Pesquisador de mudanças climáticas, Marco Moraes revela que inundações como as que assolam o Rio Grande do Sul tendem a se tornar frequentes Aquecimento global, efeito estufa, degelo...

Prática Recomendada auxilia cidades na implementação de centros de operações

Prática Recomendada auxilia cidades na implementação de centros de operações   Documento lançado pela ABNT no COR-RJ, contribuirá para aumentar a eficiência e aprimorar a tomada de decisões pelos órgãos públicos A Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, em...
Logo Manutenção.NET

NEW

A Internet das Coisas (IoT) como pilar fundamental para impulsionar a Indústria 4.0 no Brasil

Por Gabriel Pavão O conceito de Indústria 4.0, ou Quarta Revolução Industrial, há tempos assumiu um papel central nas discussões industriais, inclusive no contexto brasileiro. Desde a sua introdução, o setor pode se beneficiar da ascensão de novas automações e a...

Webinar Manutenção Prescritiva e Indústria 4.0 – Canal VITEK com Júlio Nascif

Webinar Manutenção Prescritiva e Indústria 4.0 – Canal VITEK com Júlio Nascif

Primeira fábrica de inversores de energia solar do Brasil

Livoltek anuncia primeira fábrica de inversores de energia solar do Brasil com investimento de R$70 milhões em Manaus Até o fim do ano, empresa também inicia fabricação de baterias de lítio e carregadores elétricos no Polo Industrial de Manaus. Com esse movimento, a...

Sumitomo Rubber do Brasil investe em serviço de inspeção de pneus aperfeiçoando o desempenho de seus produtos

Sumitomo Rubber do Brasil investe em serviço de inspeção de pneus aperfeiçoando o desempenho de seus produtos Empresa demonstra compromisso com a satisfação do cliente a partir da consultoria de inspeções de pneus de frotas Como parte do escopo do trabalho técnico da...

KAEFER expande seus negócios no Brasil com a aquisição da Teckma

Grupo KAEFER passa a ter mais de 11 mil colaboradores e está presente em operações industriais espalhadas por todo o Brasil; meta é continuar crescendo.  A KAEFER, uma empresa global no fornecimento de serviços técnicos industriais, amplia sua presença no Brasil com a...

Inovação na indústria da refrigeração contribui para a descarbonização

Inovação na indústria da refrigeração contribui para a descarbonização Artigo escrito por Guilherme Almeida, Presidente da Nidec Global Appliance Ondas de calor, chuvas intensas, secas acima da média. As consequências do aquecimento global, reforçado pela emissão de...

O uso da inteligência artificial na nova era da automação industrial

O uso da inteligência artificial na nova era da automação industrial por Regis Ataídes* Quantas vezes você acessou e utilizou o ChatGPT essa semana? E no mês passado? As ferramentas de Inteligência Artificial já estão no nosso dia-a-dia. O nosso mundo está sofrendo...

Energy Summit reunirá mais de 20 palestrantes internacionais no Rio de Janeiro

Energy Summit reunirá mais de 20 palestrantes internacionais no Rio de Janeiro Professores e pesquisadores do MIT, Representantes de organizações internacionais, Políticos norte-americanos, Empresários e Empreendedores estão entre os confirmados O Energy Summit 2024,...

Falhas no revestimento interno de tanques causam grandes prejuízos

https://youtu.be/NM1SMq3vArg?si=sk1X8OFFj3s08RLT  

Pesquisa do banco BV realizada no Web Summit revela que 52% do público acredita que inteligência artificial é a próxima tendência financeira

Pesquisa do banco BV realizada no Web Summit revela que 52% do público acredita que inteligência artificial é a próxima tendência financeira A pesquisa foi realizada no estande do BV durante a edição do Web Summit Rio deste ano São Paulo, junho de 2024 – Durante a...

Novidade no site indicadores de gestão

Acesse agora um conteúdo pra lá de exclusivo. Clique AQUI  

EXPOGESTÃO: Joinville e a programação de tirar o folego

Evento para profissionais de nivel de gestão, com palestrantes se revesando de 25 a 27 de junho de 2024 na EXPOGESTÃO, em Joinville – SC, falando de temas que merecem nossa atenção e ainda podem propiciar um fantástico network. Eu vou. Recomendo.

Webdox CLM lança portfólio de produtos de IA e pretende crescer 100% no Brasil em 2024

Webdox CLM lança portfólio de produtos de IA e pretende crescer 100% no Brasil em 2024 A startup chilena chegou em solo nacional em 2022 e já aumentou 5 vezes seu faturamento no país. A nova suíte de produtos, que integram inteligência artificial à sua plataforma de...

Madero reduz em 40% seu consumo de água e obtém lucro de R$2,3 mi com reciclagem de óleo

Madero reduz em 40% seu consumo de água e obtém lucro de R$2,3 mi com reciclagem de óleo Empresa implementa medidas inovadoras para preservar o planeta e impulsionar a economia São Paulo, Junho de 2024 – O Madero, uma das principais empresas do segmento gastronômico...

Hydro realiza o maior investimento em ações voltadas para Clima e Meio Ambiente da indústria do alumínio no Brasil

Hydro realiza o maior investimento em ações voltadas para Clima e Meio Ambiente da indústria do alumínio no Brasil Líder global em alumínio e energias renováveis, a companhia investe mais de R$ 8,8 bilhões em tecnologias inovadoras para uma operação mais sustentável...

CPFL Energia abre Chamada Pública de Projetos de Eficiência Energética

CPFL Energia abre Chamada Pública de Projetos de Eficiência Energética Propostas selecionadas terão os recursos liberados para execução em 2025 Campinas, 29 de maio de 2024. O Grupo CPFL Energia abriu Chamada Pública de Projetos (CPP) de Eficiência Energética 2024. O...

Participação da Indústria no PIB cai 12%, segundo a CNI

Excelência operacional é o caminho para o Brasil enfrentar a desindustrialização, aponta especialista O Brasil estabeleceu ações e metas para sua política industrial até 2026, previstas no programa "Nova Indústria Brasil”, do Governo Federal. Ao mesmo tempo,...

Atlas Copco anuncia novo gerador de nitrogênio com tecnologia de membrana

São Paulo, maio de 2024 - A Atlas Copco, líder global em soluções industriais, anuncia o lançamento de seu mais recente produto na linha APE: o gerador de nitrogênio com tecnologia de membrana. Este lançamento oferece aos usuários a capacidade de produzir gás...

42% dos líderes de negócios pretendem aumentar investimento em ESG

42% dos líderes de negócios pretendem aumentar investimento em ESG Estudo realizado pela Data-Makers, em parceria com a CDN, também aponta que reputação corporativa continua como principal motivo para adoção de práticas que envolvam aspectos ambiental, social e de...

ABINC na Futurecom 2024 – Reserve sua cota!

SEJA UM PATROCINADOR Pelo 3º ano, o Futurecom recebe o ABINC SUMMIT, com um Hub de IOT. O espaço na feira foi pensado para promover contatos, facilitar soluções e fortalecer diálogos, colocando a sua empresa no centro dos debates de IoT.   POR QUE DURANTE O...

Geólogo explica a degradação do planeta e alerta para os desafios que vêm pela frente

Geólogo explica a degradação do planeta e alerta para os desafios que vêm pela frente Pesquisador de mudanças climáticas, Marco Moraes revela que inundações como as que assolam o Rio Grande do Sul tendem a se tornar frequentes Aquecimento global, efeito estufa, degelo...

Prática Recomendada auxilia cidades na implementação de centros de operações

Prática Recomendada auxilia cidades na implementação de centros de operações   Documento lançado pela ABNT no COR-RJ, contribuirá para aumentar a eficiência e aprimorar a tomada de decisões pelos órgãos públicos A Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, em...

 

manutencao.net-Petrobrasmudancas-estrategicas-podem-produzir-resultados-adversos.jpg-1.jpg

Por Felipe Kury

anuncio fracttal 750x120

Conforme esperado, a transição de governo trouxe novos horizontes e mudanças na estratégia da Petrobras. Na gestão anterior, existia um esforço contínuo na privatização de algumas estatais, principalmente, aquelas não estratégicas e/ou em situação financeira desfavorável – muitas, sem performar por décadas. Sem dúvida, a principal motivação das privatizações ainda está relacionada à diminuição do tamanho do estado brasileiro, redução das despesas do governo e equilíbrio fiscal, com a consequente diminuição da presença do estado em certos setores da economia. No caso da Petrobras, a inciativa de privatizar certos segmentos foi mais em linha com a ideia de abrir espaço para o setor privado investir, inovar e fomentar a criação de um mercado mais competitivo, aberto e dinâmico nos setores não necessariamente estratégicos para a empresa.

Com o início de um novo governo, surge uma orientação, contrária à do governo anterior, em que se busca preservar e/ou expandir a presença do estado como protagonista em vários setores estratégicos da economia. Neste novo contexto, a Petrobras, por ter uma posição de destaque no Brasil e no mundo, abarca grandes mudanças em sua estratégia. Entretanto, incorrendo em riscos estratégicos, operacionais e financeiros, com possibilidade de resultados adversos indesejados.

Na administração anterior, a Petrobras vinha dedicando maior foco e investimentos em negócios estratégicos e em linha com suas principais competências com o objetivo de alcançar maiores retornos para os acionistas, diminuir sua alavancagem financeira e obter melhor eficiência operacional. Sendo assim, tinha como principal missão concentrar recursos e atenção em atividades com mais retorno econômico e onde tinha maior expertise, tais como exploração e produção de petróleo e gás natural em águas profundas e ultra profundas – principalmente na região do pré-sal e margem equatorial.

Além disso, a empresa iniciou um processo de desinvestimentos de ativos não estratégicos: no downstream (distribuição e revenda de combustíveis), principalmente com a venda da BR Distribuidora (hoje, Vibra Energia), Liquigás, entre outros do segmento; no midstream (Refino/Gás Natural), com venda de 50% do parque de refino e ativos de transporte de gás natural e; no upstream (exploração e produção), desinvestimentos em áreas terrestres e em águas rasas, entre outros ativos.

Em linha com esta estratégia, em meados de 2019, a empresa firmou com o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), um Termo de Cessação de Conduta (TCC) com o objetivo de possibilitar a criação de um mercado mais aberto, dinâmico e competitivo nos diversos segmentos em que atuava – a ideia era de que a Petrobras pudesse reduzir e/ou sair por completo de diversos segmentos do mercado, abrindo espaço para outros agentes.

Portanto, resta entender qual será o direcionamento do CADE nesta questão, já que, recentemente, a empresa manifestou interesse em rever os termos do TCC firmado e, ainda, de fato, exerce o monopólio em vários segmentos, o que estaria em desacordo com as próprias diretrizes do CADE de fomentar a competividade nos segmentos objeto do TCC e proporcionar benefícios à sociedade.

Outra questão bastante sensível e importante são os desinvestimentos da Petrobras na exploração e produção de petróleo e gás natural em áreas terrestres e águas rasas, que precisam de uma melhor definição por parte dos reguladores e da própria empresa. No passado não muito distante, a empresa havia decidido seguir em frente com os desinvestimentos de todos os ativos nestes ambientes, abrindo espaço para a entrada de empresas independentes nacionais e estrangeiras, com maior foco e expertise nestes ambientes, aumentando a produtividade, estimulando a competitividade e novos investimentos no setor.

O ambiente de negócios na produção de petróleo e gás natural em áreas terrestres, desde o reposicionamento (decisão de desinvestir) da Petrobras, vinha passando por grandes transformações, revitalizando o setor, principalmente, em regiões onde existia estagnação e/ou declínio na produção. A produção nacional de petróleo e gás nessas áreas corresponde a cerca de 5% do total e, nos últimos anos, percebeu um incremento expressivo no número de operadores, passando de 37, em 2016, para 55, em 2023. Da mesma forma, a produção nessas áreas vem avançando de forma expressiva. Segundo estimativas da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), a produção deve saltar de 205 mil (boe/d), em 2022, para 240 mil (boe/d), em 2023 e, 253 mil (boe/d), em 2024.

Este avanço, somente foi possível pelo desenvolvimento de políticas públicas e regulação adequadas em colaboração com a própria indústria, em especial, como resultado do reposicionamento da empresa. Contudo, uma questão fica em aberto: será que a Petrobras realmente precisa operar pequenos/médios campos de produção de petróleo e gás natural em áreas terrestres?

Recentemente, a empresa comunicou ao mercado o encerramento dos processos de desinvestimento do Polo Urucu, Polo Bahia Terra, Campo de Manati e da Petrobras Operaciones S.A. (subsidiária da Petrobras na Argentina). O objetivo é maximizar o valor do portfólio com foco em ativos mais rentáveis, repor a reservas de óleo e gás, inclusive, com a exploração de novas fronteiras, aumentar a oferta de gás natural e promover a descarbonização das operações. Este comunicado demonstra que a empresa tem a intenção de fortalecer sua posição monopolista, com impacto direto na competitividade do setor e, inibindo novos investimentos privados, o que impacta negativamente a sociedade.

Talvez, uma melhor alternativa seria a Petrobras estabelecer parcerias com as empresas independentes e especializadas neste segmento, que certamente teriam maior foco e incentivos para aumentar a produtividade destes campos e, sem dúvida, teriam maior eficiência nas campanhas exploratórias. Desta forma, a Petrobras não precisaria, efetivamente, operar estes campos, mas participar de forma indireta com toda sua expertise e, eventualmente, como investidora.

Outra mudança de estratégia bem importante diz respeito à política de preços de combustíveis. A empresa continua considerando os preços internacionais e o câmbio, mas incorpora novas variáveis nos seus cálculos, como as alternativas para o suprimento e o valor marginal da petroleira. Em parte, faz sentido, especialmente, se o objetivo fosse se tornar mais competitiva e preservar suas margens no negócio. Outro ponto relevante é a tentativa de reduzir a volatidade dos preços domésticos em relação ao mercado internacional que, em tese, poderia favorecer os consumidores domésticos, além de atenuar os efeitos dos preços dos combustíveis na inflação.

Entretanto, tem-se observado que, na prática, a nova política tem provocado um deságio nos preços de combustíveis – que podem trazer prejuízos financeiros semelhantes ao ocorrido no passado recente. Como exemplo, os preços da gasolina e diesel na refinaria nacional seguem apresentando defasagem negativa em comparação com a referência internacional, o que inviabiliza a importação por outros agentes do mercado. Assim sendo, cria-se um ambiente de imprevisibilidade e insegurança não apenas para os importadores, mas também para outros produtores nacionais, que passam a não ter uma referência para definir seus preços.

A nova política de preços tem apresentado continuamente defasagens em relação aos preços internacionais. E, podendo, inclusive, causar descontinuidades no abastecimento nacional, uma vez que o país tem uma dependência externa de cerca de 30% para o diesel e 14% para gasolina, respectivamente, além de outros produtos derivados, como QAV (querosene de aviação) e NAFTA. Outro ponto não menos importante, diz respeito aos impactos financeiros negativos que a nova política pode provocar, especialmente, se o governo tentar usar a Petrobras como instrumento de política pública – a história recente nos mostrou que tal iniciativa pode ter consequências desastrosas para empresa e para a sociedade.

De outro lado, algumas iniciativas estratégicas contam bastante a favor da empresa como, por exemplo, a sua postura mais assertiva na questão da transição energética e em relação a seu posicionamento ASG (Ambiental, Social e Governança). Segundo o plano estratégico (2023-2027), existe a ambição de perseguir uma trajetória para neutralidade de emissões operacionais até 2050, buscando produtos e negócios com menor intensidade de carbono, utilizando créditos de alta qualidade como estratégia complementar e inovação para soluções em energia e descarbonização. A empresa planeja investir cerca de USD 4,4 bilhões (6,6 % do CAPEX) em atividades de descarbonização, biorefino e pesquisas na área.

Adicionalmente, a Petrobras tem intenção de investir em novos negócios de energia renovável e/ou descarbonização, como hidrogênio verde, eólica offshore e tecnologias de captura de carbono. Um exemplo importante desta intenção foi o acordo de cooperação celebrado com a empresa Equinor para avaliar a viabilidade técnico-econômica e ambiental de sete projetos de geração de energia eólica offshore na costa brasileira, com potencial para gerar até 14,5 GW. Outra iniciativa igualmente importante, foi a assinatura de um acordo de cooperação técnica por dois anos (confidencial e não vinculante) com a Unigel para analisar negócios conjuntos nas áreas de fertilizantes, hidrogênio verde e projetos de baixo carbono.

A Petrobras, como diversas empresas do setor, pavimenta o seu caminho para se tonar uma empresa de energia com diversificação do seu portfólio, contribuindo para o sucesso da transição energética e para a redução das emissões operacionais de gases de efeito estufa. Porém, a questão central é o que faz mais sentido para a Petrobras no longo prazo. A empresa precisa de uma estratégia com um sistema de geração de valor que reforce sua posição competitiva e atributos únicos, ancorada em um propósito claro, transparente e que defina em quais segmentos irá competir. É importante definir onde, como operar e o que pretende alcançar. A experiência mostra que o monopólio não produziu resultados efetivos em muitos segmentos. Retomar a estratégia representa um enorme retrocesso com efeitos nocivos para o mercado e para o Brasil.

Felipe Kury é ex-diretor da ANP – Agência Nacional de Petróleo e Managing Partner na FK Energy Partners.

Fonte:Nathalia Bellintani

×
CityPubli 750 x 120