monteeuse 750x120
oferecimento
Esqueci minha senha

Crônicas do Chão de Fabrica

cronicas

 

Valores. Empresariais, institucionais e sempre pessoais.

- 29/10/2008

Domingo foi dia de eleição. Pelo que se ve na TV, nas chamadas ao vivo e nas bancadas dos estúdios, parece que o dia de eleição é o dia da democracia. Uma festa!

monteeuse 750x120

Mas toda festa, mesmo a mais simples, tem que ter preparo. Tem que ter motivo. E tem que ter participantes. No mínimo, mais de uma pessoa.

E surgem as conversas.

Diante dos números saltitantes da apuração informatizada super veloz, a emoção da corrida eleitoral vai suscitando as conversas.

E não sei porque me lembrei do Rafael, do movimento estudantil de 30 anaos atrás, e da  palestra que eu havia feito numa grande empresa de comunicação onde presto assessoria técnica.

Coisas tão distantes no tempo e tão próximas no sentido pra mim.

Enquanto a turma falava de resultado apertado aqui e surra inesquecível acolá, fiquei absorto em minhas longínquas e recentes lembranças.

Na empresa a palestra versara sobre o planejamento estratégico da Manutenção. Esse negócio de formatação de uma política de Gestão de Ativos, onde há que se dar uma olhada firma para dentro da própria empresa e ver os aspectos de Missão, Visão, Objetivos e Metas. E Valores. Mesmo que eles não estejam publicados, no mural ou em cartilhas, eles sempre estão lá. Por que valor, no sentido aqui tratado, é coisa de gente. De quem tem CPF e não CNPJ.

A palestra foi boa e os resultados, melhores ainda. Uma boa reflexão antes, bastante suor depois. Costuma dar resultado.

E aí a lembrança do episódio com o Rafa.

Não sei o mês, mas estou certo que foi no final da década de 1970. 1978 talvez, acho.

Era uma noite de meio de semana, no calor do Rio de Janeiro, de preparação de aseembléia estudantil. Estava prevista para o sábado. Precisavamos imprimir o nosso jornal, ir de sala em sala convocar as pessoas, distribuir tarefas, organizar coisas como o som, assuntos a serem discutidos, etc. Muito agito, descontração mas um senso comum de responsabilidade.

A equipe era todo mundo. Alunos da Engenharia, da Psicologia, Medicina, História, Educação Física, etc.. Pouco mais de 40 estudantes, sem contar os infiltrados do DOPS, que eram os que mais ajudavam.

Estávamos fazendo os cartazes com as chamadas para a assembléia. O Rafael, estudante artista de arquitetura, com suas belas letras e capacidade de ocupar bem os espaços do papel, ia produzindo material em série a golpe de caneta e pincel atômico.

De repente, uma parada. O rapaz começa a rir ao meu lado e diz: – Se meu pai me visse agora, me matava.

A gente tava falando de um monte de coisa atravessada naquele burburinho de estudantes políticos malucos misturados. E nem toda observação merecia comentário. Mas a do Rafa, não sei porque me chamou a atenção.

– Porque teu pai te matava?

– Hoje de manhã, lendo as manchetes do jornal, ele disse: – Sabe Rafael, tem três coisas que mais odeio na vida. Drogas, Homossexualismo e Subversão. E saiba que prefiro ver meu filho drogado do que viado. E prefiro ver meu filho viado do que subversivo. Porque subversivo, mesmo filho, a gente mata. O resto a gente trata.

O pai era General do Exército. E tinha seus valores.

Mesmo falando em sentido figurado, o homem queria passar o recado, dar sua mensagem.

Subversivo é termo genérico para quem é do contra.

Mas o Rafa era o Rafael da Arquitetura, bom garoto que deve ter se tornado, aposto, bom profissional e cidadão. Afinal, tinha seus próprios e bons valores.

A palestra e o caso Rafa e a eleição de domingo, misturados na conversa e na lembrança íntima, me fizeram cantar baixinho a música do Gilberto Gil, aquela que fala da fogueirinha de papel e de gente disfarçada andando ao redor.

Valores.

Tempos de eleição. Tempos de crise. Sempre tempo de reafirmar valores.

Por onde andará o Rafa?

In-haus 650x380
Publicado por: cronicas

3 Comentários


  1. Leila

    “Tudo é uma simples questão de escolha: estabilidade hoje ou felicidade amanha. Porque o presente só premia os obedientes. Mas o futuro será SEMPRE grato aos REBELDES” ou como disse nosso amigo PW o “pessoal do contra”.
    E quer saber de uma coisa? Adoro saber que existem pessoas que são, pensam e agem de maneira diferente, buscando a mudança, o bem comum.

    Abraços

    Leila

  2. Fabiano Felipe

    O que seria do seu time preferido se todo mundo gostasse somente do preto e vermelho ou somente do verde branco? Pior é ser obrigado a gostar. Ou seja, imagine todos com uma só opinião. Onde estariam as conversas caloricas, as emoções em defender um ponto vista e a gratificação do aceitar os seus ideais? Não dá mesmo para imaginar que isto não possa estar presente. É, já parou para pensar, está aí em nosso dia-a-dia, em casa, no trabalho, no jogo de futebol e em tudo que precisamos tomar uma decisão e é claro que envolva mais de uma pessoa. Viva a liberdade de expressão, viva poder pensar no diferente, viva poder aceitar e também de mudar. Tente e continue fazendo diferente como o Rafa.

  3. Daniel

    Ontem, 10h, enquanto caminhava em direção ao ponto de ônibus, me apareceu um homem com o filho de mãos dadas, dizendo que estava procurando emprego e me perguntava se eu nao podia dar uma ajuda para ele e o filho fazerem sua refeição. Falei que só tinha o dinheiro para o ônibus, mas se ele quisesse andar comigo até a lanchonete eu passava no cartão. No caminho, uns 10 min, fomos conversando sobre no que ele já trabalhara, como o estavam recebendo nas empresas onde ele fora buscar trablhado, já que ele era mecÂnico de suspensão automotiva. ok, o que mais me impressionou foi o valor desse homem-e o valor que ele passava ao seu filho, ao levá-lo junto, para bater perna no centro da cidade procurar emprego. Os valores de hoje não são diferentes dos que aconteceram há 30 anos atrás – lutar pela sobrevivência digna. Hoje na CBN, Gilbrerto dimenstein falava sobre os fatores que são vistos nas famílias de maior renda: acesso à cultura. Exatamente esta contra a qual se lutava nas trÊs décadas passadas. Parabéns ao PW pelos excelentes textos colocados aqui. abraços!

× Converse no WhatsApp
In-Haus 750x120