New Sense Safety Tênis a prova de choque
oferecimento
Esqueci minha senha

Gestão Estratégica de Negócios

Paulo Walter

 

INDICADORES DE MANUTENÇÃO – Comentário do Comentário (Lussari)

- 09/05/2008

Muito bom o comentário que nos deixou aqui o Antonio Lussari da BOSCH.
Disse ele:

New Sense Safety Tênis a prova de choque

…O que é mais comum no mercado, Gasto / Máquina?, Gasto / Faturamento? Gasto / Hora Trabalhada? ou outro qualquer. Esta unidade em Campinas, atende ao Mercado Automobilístico – Sistema de Freios. Portanto seu parque é formado basicamente por Centros de Usinagem e Linhas de Montagem.
Tenho hoje dois grandes desafios, primeiro garantir a disponibilidade dos Equipamentos acima de 96% (com OEE de 85% minimo) e segundo controlar os gastos dentro do Budget planejado que nunca consigo.
Voce tem algo (empresas) para que eu possa usar/consultar como referência?

Lussari, tua luta é nossa luta. As pesquisas que estamos fazendo junto ao nosso público, visam exatamente responder a todas essas perguntas que tu fazes. (Dá uma olhadinha no www.indicadoresdemanutencao.com.br que está em fase de testes). E veja também o texto anterior deste meu Blog.

Mas alguma coisa já te posso adiantar.
Hoje no Brasil, 36% das empresas que tem uma área de manutenção formalizada, não tem indicador algum. Ou seja, nem um orçamento anual sobre o qual pautem suas atividades. São empresas que navegam ao sabor das ondas (marolas ou vagas?).
Quando nos referimos só a grandes empresas, este percentual cai para 12%. O que é um número espantoso, convenhamos.
Pergunto dentro do teu comentário: seu orçamento é discutido, detalhado, compromissado (ligado aos resultados esperados?) ou é meramente um valor autorizado para gastar? Ao refletir sobre a resposta, verá que há uma diferença aí entre indicador e marcador. Falaremos sobre isso oportunamente.
Sobre se conheço empresas a resposta é sim. Mas indicá-las para contato e ou visitas é outra questão. Infelizmente o benchmarking ainda não está suficientemente maduro em nosso país e muitas empresas não abrem facilmente seus resultados, programas, trabalhos, para troca de boas práticas.
Através de nosso Projeto IDM – indicadores da Manutenção no Brasil, estamos buscando quebrar esse atraso em relação ao mundo globalizado.
Finalizando, ainda sobre seu comentário, Orçamento autorizativo não é mole de se cumprir mesmo. Tenho muitos clientes que estão reformatando sua abordagem de gestão de ativos exatamente a partir da formação do Budget, por estar neste instrumento a linguagem passível de comunicação com quem não é da nossa área.
Temos muito que falar a respeito. E isso é um bom indicador.
Abraços

Publicado por: Paulo Walter

3 Comentários


  1. Marcio Cotrim

    Prezados Paulo Walter e Lussari.

    Uma dúvida me ocorreu no comentário do Lussari, quando afirma que seu objetivo é atingir 85% OEE no mínimo e 96% Disponibilidade, indicadores de empresas Classe Mundial, mas que não consegue controlar seu Budgest.

    Muito bem, para se atingir esses percentuais de indicadores, é necessário ter um Modelo de Gestão de Manutenção extremamente organizado, planejado e controlado, incluindo aí uma grande atuação dos Operadores realizando as tarefas de Manutenção Autônoma. Isso acontece?

    Se não acontece ainda e existe muita incidência de Manutenção Corretiva é sinal que o Modelo de Gestão precisa ser avaliado e modificado.

    Outra coisa importante é que os indicadores de OEE e Disponibilidade devem ser fixados nos equipamentos críticos e prioritários ao NEGÓCIO da empresa e dessa forma, o universo reduz sensivelmente.

    Atingir 85% OEE e 96% Disponibilidade na Manutenção, caso algum engano meu, significa atingir valores extremamente desfiadores em todos os equipamentos e talvez por isso não consiga atingir o orçamento do BUDGET.

    Abs e sucesso.

    Marcio Cotrim

  2. Paulo R. Viana

    Sugiro que seja feita uma comparação entre os valores obtidos nesta pesquisa com aqueles publicados pela Associação Brasileira de Manutenção – ABRAMAN. Me parece que ambos chegam a conclusões similares.

  3. DARI MARTINES DIAS

    Caros colegas,

    Pelo que percebi, nós Gestores de Manutenção, estamos todos no mesmo barco. As dificuldades que tenho em minha administração de manutenção dentro de uma empresa multinacional no ramo de material ferroviário e buscar o índice de disponibilidade acima de 90% e em paralelo manter o budget determinado pela condição de faturamento da empresa e não pelo que julgo ser o mais adequado para conseguir o índice acima.
    É neste ponto que tenho muito interesse em conhecer o que temoscom referência em nosso mercado e se existe material a respeito para se pesquisar e aprender mais sobre este assunto.

    Também concordo com os comentários acima que o caminho paras se conseguir este índice com menor gasto está em aplicar manutenção autônoma (TPM). Quais os melhores cursos, artigos e benchmarking para buscar este aprimoramento.

× Converse no WhatsApp
New Sense Safety Tênis a prova de choque