oferecimento
Esqueci minha senha

Crônicas do Chão de Fabrica

cronicas

 

Gerentes e Diretores – A diferença entre quem faz e quem diz o que deve ser feito

- 26/04/2010

Aquele salão enorme do Hotel Meridien, no Rio de Janeiro, com carpete e cadeiras vermelhas, parecia imponente o suficiente para a reunião anual do grupo de gestão daquela grande empresa de engenharia. A manhã inaugural foi um desfile de palestras de economistas renomados, consultores internacionais, todos dizendo o que aconteceria no futuro proximo. Cenários de negocios foram apresentados com o Lula ganhando do Collor ou o contrario.

Tres dias de trabalho e eu tinha uma participação especial pois ia falar de uma novidade em termos de serviços: as oportunidades de negócios na terceirização da manutenção em grandes industrias.
Me preparei muito para meu tempo de explanação: meia hora de palestra mais meia hora de perguntas e respostas. Confesso que estava me achando o máximo. Era o unico gerente de segundo escalão que ia falar durante os tres dias de debates e definições. Estava excitado com a oportunidade de falar sobre a minha área e seu potencial dentro da companhia.

Na hora que me chamaram à frente da audiencia, respirei fundo, ajeitei a gravata e assumi o book com as transparencias (acho que o Power Point nem estava em projeto naquela epoca).

Quando ia começar minha exposição, meu diretor, um mineiro simpaticão com muitos anos e obras de experiencia, colocou a mão no meu ombro e pediu silencio a atenção aos diretores e mais de 50 gerentes presentes.

Achei que ela ia dar aquela valorizada no meu trabalho. O homem aguardou o silencio pedido – teve até gente que se levantava para ir ao banheiro ou dar aquela fumadinha voltando aos seus lugares – e falando com uma ironia que me dói até hoje, disse num mineires algo que jamais esqueci: – Senhores o Paulo Walter aqui, que a maioria conhece, vai nos dizer o que deve ser feito para que a empresa tenha sucesso nessa nova linha de linha de negócios.

E continuou.

– Ele é quem manda. A gente escuta e obedece.

Pego de surpresa, perguntei a ele o porque daquilo, que nao estava no programa. Não era bem o que tinha preparado para a apresentação. Aliás, não era nada disso.

Ele viu que fiquei vermelho e sem acao, mas pegou no meu ombro e sorriu. O chefe, na sua calma de sempre, ainda com a mão no meu ombro, completou seu recado, olhando para a sala cheia.

– Diretores dão diretrizes. Gerentes fazem acontecer. O Paulo aqui sabe do que estou falando e creio que a maioria de vocés que estão rindo, sabem tambem. Vamos em frente.

A minha apresentação foi muito proveitosa. A lição também.

Durante muitos anos em minha carreira, tive a mania de querer mandar nos meus chefes. Sempre achava que eles nao sabiam de nada, não davam prioridade ao que realmente era importante, não escutavam quem realmente entendia do que acontecia e fazia a diferença. Vivia enchendo a paciencia deles, querendo que fizessem o que eu queria ao inves de fazer o que eles me mandavam.

Tem fichas que demoram a cair. Algumas só caem com muita pressão e barulho.

Trabalhar em equipe não é fácil. Mandar e obedecer também. Pior ainda entender que se tem alguem na chefia, é porque alguem mais acima ainda achou que devia ser assim. Entender e aceitar prioridades é mesmo uma arte.

O tal encontro era para discutir as praticas e ações, mas nao as diretrizes nem as prioridades.

Depois desta pequeno “recado”, o corpo gerencial fez o que tinha que fazer. Nos dois dias de trabalho subsequentes fez um belo plano de ação para cumprir as diretrizes, conforme as prioridades da direção.
Aquele dia foi o dia da descoberta: A prioridade é da empresa e nao minha. E diretores estão lá para dar as diretrizes e estabelecer as tais prioridades.

Aliás, acho que naquele dia entendi direito porque aqueles caras tinham um cargo chamado DIRETOR. Aquele que dirige.

Passei a ser um gerente muito melhor.

Abraços

Paulo Walter

Publicado por: cronicas

3 Comentários


  1. Fabio Luiz

    Grande Liçao Paulo Walter. Contudo se a visão do diretor não for entendida pelo corpo gerencial, ocorre a falha de comunicação. As decisões gerenciais são tomadas com bases técnicas diferentemente das dos Diretores que são com bases politicas. E o corpo gerencial não foi treinado para tal entendimento… e sem dúvida todo gerente acredita estar pronto para ser diretor!!!

  2. Jamile Gomes

    É companheiro… Não fostes o único que “tentou mandar em seus diretores”. Confesso que aos 22 anos eu ainda tento fazê-lo de vez em quando.
    Ocupando um cargo de executiva na área comercial meu diretor só me responde assim: “Quer eu eu faça assim? Me vende essa idéia então! Aposte todas as tuas melhores técnicas de vendas que estou disposto a te ouvir e quem sabe ‘te obedecer’!”
    Confesso que nessas horas tenho vontade de sumir.. Mas se a idéia é válida, preciso eu primeiro acreditar nela e enxergar benefícios para toda a empresa. Às vezes dá certo, as vezes nem tanto!
    hehehe

    Passa lá no meu blog … Tenho novidades! 🙂
    Serei dentro de algumas semanas a mais nova cidadã paulistana!
    Agora o salto alto vai andar no mercado da capital paulista .. “Onde tudo acontece!” (risos)

    Bjs e abraços grande líder virtual!
    Jamile Gomes
    http://manutencao.net/blogs/manutencao_salto_alto/

  3. pressostatos

    Primeira vez que visito seu blog, muito bom seus posts!