oferecimento
Esqueci minha senha

Olá pessoal da Manutenção, o final do ano chegou… E agora?

- 18/12/2016

trem

Estamos chegando ao final de mais um ano. Muitas coisas, boas e ruins, aconteceram este ano. Muitos perderam os seus empregos, outros encontraram uma nova oportunidade, alguns foram promovidos… E assim a roda da Manutenção continua girando. E se pensarmos em 2017 como uma nova viagem, vale a frase de Milton Nascimento: “O trem que chega é o mesmo trem da partida”.

Pensando nisso, é importante que todos façam uma reflexão do ano que passou. Quais foram as suas conquistas? O que você perdeu? O que fez de bom? O que deixou de fazer? Investiu na sua carreira? Só assim poderemos fazer a diferença em 2017!

Esta reflexão é importante, e será o nosso ponto de partida para essa nova viagem, a base do nosso plano de ação para o ano que se inicia, que por sinal, será desafiador para as empresas e suas equipes de manutenção.

estacao-1

O ano 2016 foi marcante, um ano cheio de altos e baixos, com mudanças no cenário político mundial (fim da era Kirchner, impeachment no Brasil, eleição de Donald Trump nos EUA), acidentes aéreos, agravamento da crise econômica no Brasil, queda da produção industrial e aumento do número de desempregados no nosso país.

Quando pensamos na Manutenção, sofremos diretamente com este triste cenário que, querendo ou não, faz parte do nosso dia a dia. Entretanto, como dizia Albert Einstein, “no meio de toda dificuldade encontra-se a oportunidade”. Em meio a tantos desafios, tantas incertezas, tantas mudanças, eu pergunto:

– Temos acompanhado esta evolução?

– Temos dado atenção para os fatos que estão ocorrendo à nossa volta?

– Como temos buscado repostas para os velhos problemas?

– Temos buscado novas respostas para problemas novos?

– E o que vamos fazer para buscar novas respostas paras os problemas /oportunidades que nem conhecemos ainda?

Temos que saber enfrentar tudo isso e buscar identificar quais desafios precisamos atacar prioritariamente. Só assim, após uma reflexão do dia a dia da Manutenção, poderemos passar para a próxima estação e entender onde estão os nossos pontos fracos.

estacao-2

Estamos vivenciando o “apagão da Liderança”. Países, empresas, famílias e comunidades estão sendo dirigidas pelo espelho retrovisor. A falta de liderança está por todos os lados, seja na política, nas empresas, nas escolas e até mesmo na vida pessoal. O frustrado Encontro de Copenhague é o símbolo mais recente desse Apagão a nível mundial. Foi bem mais profunda a origem da severa turbulência que abalou a estrutura financeira do mundo no final de 2008, causando enorme onda de desemprego e afetando a vida de milhões de pessoas. Nas empresas, ainda predominam mais chefes que líderes. Faltam sucessores preparados e assistimos ao triste espetáculo de empresas sólidas se desmancharem quando o fundador desaparece.

Precisamos aprender a desenvolver em nós e nas outras pessoas o espírito de liderança. A liderança deve ser uma fonte de inspiração que reúne as pessoas em torno de um objetivo comum (missão e meta da organização) e faz com que as pessoas se comprometam com a realização desse objetivo. Um líder deve reconhecer os focos onde se encontra a energia necessária para conduzir sua equipe.

E precisamos de pessoas e de uma boa liderança para que as tarefas de manutenção sejam executadas. Conforme mencionei em uma de minhas publicações, a aplicação de ferramentas simples, como Pareto, Ishikawa e 5W2H, pode contribuir em muito para que a manutenção tenha um lugar de destaque dentro da organização, cooperando para a melhoria do resultado e também com a redução de custos. Mas quando se trata da Manutenção, precisamos de uma análise um pouco mais detalhada. Pense nas questões a seguir:

– O custo de manutenção está adequado?

– Os indicadores da manutenção estão dentro das metas estipuladas?

– O plano de manutenção é coerente? Está sendo cumprido? É revisado?

– A manutenção tem obtido bons resultados nas auditorias?

– A equipe de manutenção está motivada?

– A equipe está treinada/capacitada para o cumprimento das rotinas de manutenção?

– Estão sendo realizadas análises críticas das rotinas e dos indicadores de manutenção?

– Melhorias e ferramentas estão sendo implementadas (Análise de Causa Raiz de Falha, Plano de Ação, PDCA, FMEA, software para gestão da manutenção)?

– Quais são os riscos associados à operação dos ativos?

– Existe uma boa gestão e uma liderança efetiva dentro da Manutenção?

– A minha empresa entende o verdadeiro papel da Manutenção dentro da organização?

Com base nas suas respostas, tente responder a questão:

“ONDE A MINHA MANUTENÇÃO ESTÁ ERRANDO?”

estacao-3

Todos sabem que os mesmos caminhos levam sempre aos mesmos resultados! É preciso fazer diferente, é preciso inovar:

1. Valorizar as atitudes;

2. Valorizar o aprendizado e a busca pelo “pensar fora do quadrado”;

3. Formar líderes eficazes e não apenas seguidores;

4. Inovar sempre, abandonar os velhos hábitos e as ideias mortas;

5. Saber reconhecer desempenhos acima da média;

6. Criar oportunidades e condições para prever e controlar as mudanças necessárias;

7. Analisar oportunidades de melhorias em procedimentos vigentes;

8. Reconhecer e mitigar os riscos inerentes aos processos;

9. Avaliar o desempenho;

10. O auto desenvolvimento permanente é essencial!

Ao responder a questão do tópico anterior, você já deve estar se perguntando: “e agora?”

Agora é hora de arregaçar as mangas e preparar-se para os desafios a serem superados em 2017. Colocar as mãos na massa para fazer as mudanças necessárias no novo ano que está prestes a iniciar.

estacao-4

Procure entender cada estação e busque a superação a cada dia. Podemos inovar e fazer de forma diferente, desenvolvendo novos métodos, novos caminhos, novos pensamentos. Assim, melhores resultados virão! E não se esqueça de estar bem consigo mesmo, com sua família, suas finanças e seus amigos. Lembre-se:

“o trem que chega é o mesmo trem da partida! O mesmo caminho levará aos mesmos resultados. Para o trem chegar em outro lugar é preciso trilhar novos caminhos!”.

Em 2017 vamos fazer diferente ou vamos fazer a diferença? Pense nisso! Sucesso a todos!

 

Me Alessandro Trombeta

MBA em Gerenciamento da Engenharia da Manutenção

Supervisor de Manutenção na Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Professor de Engenharia na UniCesumar

Publicado por: Alessandro Trombeta

Nenhum comentário ainda